Encantarias: Fusão eletrônica na Música Maranhense

Pâmela Maranhão

Quando o percussionista e produtor Luiz Claudio criou o show
Encantarias, o objetivo era mostrar as infinitas possibilidades de diálogos
entre as tradições populares maranhenses com ritmos da região norte
do Brasil, África e Caribe. A partir dessa fórmula, a produtora Partido
Cultural, coordenada por Italo Beludi, Fernando Santos e Juliana Matos,
ressignificou o show e criou o Festival Encantarias, acrescentando a
música eletrônica a esse caldeirão musical.

A proposta é linkar a ancestralidade presente nos ritmos maranhense com a cena eletrônica da São Luís contemporânea.
O festival acontece em formato semipresencial, no Reocupa, Praia Grande, dia 17 de novembro, às 20h restrito para um público de até 80
pessoas. O acesso, será mediante a doação de um livro infantil para o projeto Biblioteca do Caranguejo, localizado na Praia de Mangue Seco, e
apoiado pelo Reocupa. O resultado final do projeto poderá ser conferido a partir do dia 26 de novembro, às 19h, no canal do youtube Festival
Encantarias. A produção artística é da Zabumba Records Produções.

O festival, selecionado no edital de fomento a projetos culturais, da segunda fase da Lei Aldir Blanc Maranhão, busca fortalecer os
movimentos negro, LGBTQIA+ e feminino por meio das tradições musicais, além de estimular o empoderamento de movimentos
marginalizados, inserindoos em um contexto de afirmação por meio da arte.

Lara Ribeiro


Na programação, shows com onze artistas, sendo três Dj’s, seis intérpretes e dois músicos. São seis canções e seis músicas remixadas.
No palco, arranjos próprios feitos para o projeto pelos músicos Luiz
Claudio e Diogo Nazareth, ganharão interpretações originais. As demais
músicas serão remixadas e produzidas pelos DJ’s.

O Jornalista e Dj Pedro Sobrinho, conduz a festa, apresentando os artistas. Pedro, que transita nos dois universos musicais do festival e traz na bagagem uma ampla
experiência e profundo conhecimento do universo musical maranhense, é referência quando se fala em música no Maranhão.

Com direção musical do percussionista e produtor Luiz Claudio e produção musical do produtor e compositor Fernando Santos, o Encantarias passeia por músicas maranhenses de domínio público, como forma de demonstrar a relevância das tradições culturais e rítmicas influenciadas pela cultural afrobrasileira. No repertório, entre outras, composições de Mestre Felipe e Mestre Zió, além de duas músicas de autoria de Luiz Claudio. “A ideia surgiu da necessidade que sentimos, de criar um cenário onde os jovens pudessem, por meio da música eletrônica, voltar às suas raízes, e fortalecer os movimentos de preservação cultural, no intuito de inserir a cultura popular no dia a dia musical da juventude ludovicense”, diz Fernando Santos.

Regiane Araújo

Com duração de duas horas, o Encantarias traz como marca maior, o fomento à diversidade musical, a preocupação com a ocupação democrática dos meios musicais da ilha e com a integração das novas gerações no universo da cultura popular maranhense. A formação cultural do Maranhão reflete muito os elementos da expressão de matriz africa que originaram uma pluralidade musical, rítmica e religiosa, ora expressadas por um movimento lúdico, ora pelo religioso, pela fé. Essa manutenção através da música consagra o que há de mais belo: a nossa cara, nossa identidade”, afirma Luiz.

Por isso é importante inserir os jovens, trazendo elementos da música eletrônica para os familiarizar, e assim criar mais interesse sobre a cultura tradicional”, finaliza.

As outras atrações da noite são: os Dj’s Brunoso, Omar da Ilha e Rômulo Viana (Suefleids) , as cantoras Regiane Araujo, Dicy, Pâmela Maranhão, Núbia, Lara Ribeiro, o cantor Marcos Magah, além dos instrumentistas Diogo Nazareth e Luiz Claudio. Como desdobramento do projeto, será lançado um disco duplo com 12 faixas com músicas gravadas no festival. O disco sairá pelo selo Vento Norte, braço da gravadora Zabumba Records, voltado para a cena contemporânea e outras vertentes da música produzida no Maranhão.


PROGRAMAÇÃO

Apresentação: Pedro Sobrinho (Jornalista e Dj)

Participantes:

BRUNOSO

OMAR DA ILHA

RÔMULO VIANA (SUEFLEIDS)

DICY

MARCOS MAGAH

NÚBIA

REGIANE ARAUJO

PÂMELA MARANHÃO

LARA RIBEIRO

DIOGO NAZARETH

LUIZ CLAUDIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIÁRIO DE BORDO NO JP

Vanessa Serra é jornalista. Ludovicense, filha de rosarienses.

Bacharel em Comunicação Social – habilitação Jornalismo, UFMA; com pós-graduação em Jornalismo Cultural, UFMA.

Atua como colunista cultural, assessora de comunicação, produtora e DJ. Participa da cena cultural do Estado desde meados dos anos 90.

Publica o Diário de Bordo, todas as quintas-feiras, na página 03, JP Turismo – Jornal Pequeno.

É criadora do “Vinil & Poesia” que envolve a realização de feira, saraus e produção fonográfica, tendo lançado a coletânea maranhense em LP Vinil e Poesia – Volume 01, disponível nas plataformas digitais. Projeto original e inovador, vencedor do Prêmio Papete 2020.

Durante a pandemia, criou também o “Alvorada – Paisagens e Memórias Sonoras”, inspirado nas tradições dos folguedos populares e lembranças musicais afetivas. O programa em set 100% vinil, apresentado ao ar livre, acontece nas manhãs de domingo, com transmissões ao vivo pelas redes sociais e Rádio Timbira.

PIX DIÁRIO DE BORDO SLZ
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivos