Diversidade das ruas marca presença na 5ª edição do Festival Kebrada

Evento do CCVM tem entre as atrações o rapper Rashid, grupo de rap indígena e mulheres no grafitti

Começa hoje, 14, e vai até 17 de dezembro, no Centro Cultural Vale Maranhão, a 5ª edição do Festival Kebrada.

Criado em 2018, o Kebrada se consolida como o maior evento de cultura de rua do Maranhão, levando para o espaço do CCVM batalhas de dança, rima, música eletrônica e grafitti, as linguagens que compõem o universo hip hop.

Com curadoria de MC Alcino, B-boy Macaxeira e do grafiteiro e artista visual Edi Bruzaca, o Kebrada traz este ano uma programação marcada pela diversidade das ruas, unindo a experiência de artistas há mais tempo na cena com novos rostos que despontam. “O Kebrada é um dos maiores eventos de hip hop do país. Já recebemos nestes cinco anos nomes muito importantes da cena nacional como Thaíde, Marechal, BK, Rincon Sapiência, além de oportunizarmos um palco para nossos artistas maranhenses, que fomentam a cena local durante todo ano”, comenta o MC Alcino.

Entre os selecionados, estão o grupo 1ne Voice Music, do território indígena Ipú de Grajaú (MA), com canções compostas em quatro idiomas, incluindo a língua guajajara; e o Slam das Travas, formado por PP Poeta Marginal, Hera Explosiva e convidadas, com rimas e poesias potentes sobre vivências de corpos travestis ao som do set da DJ Nebraska Diamond. Completam o time feminino, a rapper paraense Adh4raa e a bicampeã estadual de poesia falada Sollamya. Os MCs que comandarão o palco nos 4 dias de festival são Joier, Preto Tipuá, Nior, Gugs e O Shoock. E mais grupos se apresentarão: Streetmind, formado por MC’s do bairro São Francisco; e Renegados Antissistema, nascido no bairro Novo Angelim.

Seguindo a tradição de receber um artista representante do hip hop nacional, em 2022 o Kebrada traz o rapper e empresário paulistano Rashid, com 12 anos de carreira, turnê na Europa e indicações ao VMB e ao Prêmio Multishow. Seu álbum Crise foi eleito o 39º melhor disco brasileiro de 2018 pela revista Rolling Stone Brasil e um dos 25 melhores álbuns brasileiros do primeiro semestre de 2018 pela Associação Paulista de Críticos de Arte.

Desde sua criação, mais de 100 artistas já passaram pelo palco do festival, tornando-o uma vitrine para MCs, grupos de hip hop, DJs e grafiteiros maranhenses. “O Kebrada é um marco anual que afirma a importância da cultura de rua e de periferia como um dispositivo originador. O festival funciona como um ponto de encontro para várias gerações de artistas de diversas vertentes do Hip Hop. Sabemos que o movimento é uma forma de educar, com a rima, com a dança, com o grafite e com as pick ups. o festival serve de apoio para que todos continuem a traçar narrativas sobre a cidade, a partir do ponto de vista das margens”, afirma Gabriel Gutierrez, diretor do Centro Cultural Vale Maranhão.

Premiação em batalhas e um novo mural de grafitti

Compondo a programação do Kebrada desde a primeira edição, as batalhas de dança e rima agitam o público, uma das tradições da cultura de rua. MCs, dançarinos e dançarinas duelam em quatro modalidades – rima, passinho, all style e breaking – por prêmios em dinheiro. Quem comandará o som das batalhas são os DJs Astro, Gabriella Leão, Johnny Jay, Omar da Ilha e Nanny Ribeiro.

E para renovar o mural de grafitti do pátio do CCVM, sete grafiteiros foram escolhidos para assinar a arte que é um dos pontos preferidos dos visitantes da instituição. A novidade deste ano é mais poder feminino com spray na mão: pela primeira vez, três grafiteiras comporão o grupo que cuidará do principal elemento visual do festival. Ione Reis, Ella Ilustra e Jùjú Nsaa se unem a Cajú, Inke, Siano e Kdin na missão. “Dentro do processo da curadoria buscamos igualar a participação de gênero, selecionando 3 mulheres com um muito poder de expressão artística dentro de suas vertentes. A grafiteira Ella Ilustra, que mistura os estilos de pintura digital com o grafitti, explorando a regionalidade e o poder das letras; Ione Reis, representa corpos de pessoas pretas, ressignificando a iconografia marginalizada; e Jújú Nsaa, que carrega em seus traços a força da maternidade e da ancestralidade. Assim conseguimos mostrar a importância das mulheres dentro destes espaços e o grande potencial artístico que elas possuem”, conta Edi Bruzaca.

A programação do Festival Kebrada é totalmente gratuita e começa às 19h30 nos dias 14, 15 e 16 e às 17h no dia 17. O Centro Cultural Vale Maranhão está localizado na Rua Direita, nº 149, Centro Histórico de São Luís.

 

Confira a programação completa do Festival Kebrada:

 

14 de dezembro

DJ Gabi Leão

19:30     Show Slam das Travas

19:50     Batalha de Passinho

21:20     Show Adhara

 

15 de dezembro             

DJ Jhonny Jay

19:30     Show O’shoock

19:45     Batalha de Rima

21:15     Show StreetMind

21:30     Show Nior

 

16 de dezembro

DJ Nanny Ribeiro

19:30     Show Sollamya

19:45     Show Renegados Antissistema

20:00     Show 1ne Voice Music

20:15     Show Rashid

 

17 de dezembro

DJs Astro e Omar da Ilha

17:00     Batalha de All style

18:30     Show Joier

18:45     Show Preto Tipuá

19:00     Show Gugs

19:15     Batalha de Breaking

 

Serviço

O quê: Festival Kebrada 2022

Quando: 14 a 17 de dezembro de 2022

Local: CCVM – Av. Henrique Leal, 149, Centro, São Luís – MA

Informações: 98 98143 6143 |E-mail: comunicacao@ccv-ma.org.br

Sobre o Centro Cultural Vale Maranhão

O Centro Cultural Vale Maranhão é um espaço cultural mantido pelo Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com o objetivo de contribuir na democratização do acesso à cultura e valorização das mais diversas manifestações e expressões artísticas da região.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIÁRIO DE BORDO NO JP

Vanessa Serra é jornalista. Ludovicense, filha de rosarienses.

Bacharel em Comunicação Social – habilitação Jornalismo, UFMA; com pós-graduação em Jornalismo Cultural, UFMA.

Atua como colunista cultural, assessora de comunicação, produtora e DJ. Participa da cena cultural do Estado desde meados dos anos 90.

Publica o Diário de Bordo, todas as quintas-feiras, na página 03, JP Turismo – Jornal Pequeno.

É criadora do “Vinil & Poesia” que envolve a realização de feira, saraus e produção fonográfica, tendo lançado a coletânea maranhense em LP Vinil e Poesia – Volume 01, disponível nas plataformas digitais. Projeto original e inovador, vencedor do Prêmio Papete 2020.

Durante a pandemia, criou também o “Alvorada – Paisagens e Memórias Sonoras”, inspirado nas tradições dos folguedos populares e lembranças musicais afetivas. O programa em set 100% vinil, apresentado ao ar livre, acontece nas manhãs de domingo, com transmissões ao vivo pelas redes sociais e Rádio Timbira.

PIX DIÁRIO DE BORDO SLZ
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivos